quarta-feira, 21 de abril de 2010

“Enchente”

“Enchente”

Avisaram-no que, uma grande enchente aconteceria. Viu, seus parentes e vizinhos, arrumarem desesperados suas mudanças. Em busca de salvarem-se, gritavam, e dançavam com seus pés, na água e na lama. O tempo passou, e a grande desordem instalou-se, e m cada semblante. Roupas, fotos, panelas, livros, choro de criança, carros: desespero. A água inundava as casas, pelas portas.

Distraiu-se observando a todos. Inerte seu pensamento parou. Encaminhou-se para seu quarto, deitou em sua cama, agarrou-se a sua fraqueza. A água subia, cada vez mais rápido, as paredes começavam a desmoronar. O medo de abandonar sua casa, de deixar para trás aquele mundo, e recomeçar tudo novamente o fez morrer. Afogado em sua covardia, em seus sonhos.

Alexandra Periard

3° lugar

Concurso de Contos e Poemas – SESI – MG

Ano: 2003

Um comentário:

Carla disse...

Adorei.
Saudades daqui, quilida!
Bjo.