quarta-feira, 20 de maio de 2009

Anônima poesia

"Sou uma poetisa anônima, casual, trágica, inconsequente, fruto e produto do casamento entre a urbanidade e a melancolia dos pastos antigos".

2 comentários:

Monique Frebell disse...

Anônima ou não, poesia é sempre bem-vinda!

Bjus!

[M]. Cartágenes disse...

Gosto do fato de como elas mesmo sendo inexistentes enquanto matéria física, são retrato abstrato da realidade, seja interna ou externa!

Gostei! Faz tempos que não venho aqui... ^^.