terça-feira, 30 de setembro de 2008

Cúmplice

A mulher ao meu lado,
estava com a cabeça imponente
em meio a ignorância que a cercava

Aberto por tempo demorado
deixei o livro propositalmente
para favorecer a ela que me surrupiava

Entre um olhar de soslaio
e um suspiro na estação
um pedaço de poema era furtado
ver o título era sua intenção

Virava as páginas com cuidado,
me posicionava para esconder a capa (a minha ou a do livro?),
gostava da sensação que despertava:
um misto de curiosidade e dependência

O livro é meu!
O livro também é um pouco dela
O livro [quase] todo dela
O livro é
E ela jamais poderia devolver
pois tinha encarapitado dentro do seu ser.


(Alexandra Periard)

4 comentários:

Mary West disse...

Tem gente que gosta mesmo das maravilhas do misterio.

Lucí disse...

O conhecimento é universal nao é mesmo...?

Conhecimento compartilhado..nao tem dono..

Bjo.. gostei...

darsh. disse...

adoro livro!

Camila :) disse...

muitoo boom *-*