terça-feira, 19 de agosto de 2008

"Investir em bibliotecas é fazer uma revolução silenciosa e tranquila."

O leitor agora deve estar pensando: O que essa louca está "dizendo"? Na era da internet, do virtual, do digital ela me vem com biblioteca e livros?

Explico-me (ou pelo menos tento) como a maioria dos que me lêem eu também sou viciada em internet e creio que não conseguiria viver sem ela. Porém o prazer de frenquentar boas bibliotecas, ler bons livros (de papel, deitada na cama) nunca perderei e acredito que ninguém deveria esquecer/abdicar disso.

Não podemos abandonar o hábito de ler livros de papel, pois além do lado lúdico/nostálgico há também a questão de preservação da cultura. A grande maioria dos livros ainda não foram digitalizados, e não podemos permitir que os mesmos se percam na era da internet.

Através de investimento nas bibliotecas já existentes e na construção de novas bibliotecas poderemos preservar nossos livros e o ato em si de os ler. É necessário que os governantes priorizem essa questão e que o poder público incentive e cobre esse investimento! Contudo em primeiro lugar é necessário investir na conscientização da população. Pois do que adianta investir em blibliotecas, em reformas na parte física (construção, pintura, etc...) e na parte cultural adquirindo novos títulos, sendo que na maioria das vezes os prédios são depredados, pichados e os livros rabiscados, rasgados e até queimados?


Educação tem o poder transformador, desperta o pensar, aguça do senso crítico e promove ascensão social.

3 comentários:

Tato Barba disse...

Texto enxuto, expressão precisa, vocabulário eficaz, muito bom!!!

Ah, também gostei do ponto de vista! rsrs

Até!

Madamefala disse...

Com certeza ler é fundamental, livros, livros e livros...informação preenche o peito, e não só a cabeça.
Muito legal o texto.
bjos!

Raoni. disse...

Primeiramente adorei a sintática do texto, muito bem redigido, leitura concisa e fluída.

Sobre a questão posta no texto, concordo plenamente, já que o descaso com patrimônios urbanos é evidente nas metrópoles, quissá com livros, que por significativa parcela da população, nada mais é do que letras justaposta de letras, e que sentem imenso cansaço e perda de tempo em apreciar. Por isso a cultura de "ler", pesquisar e "aprender" na internet é tão mais fácil, já vem tudo pronto, resumido, é mais simples. Isso é uma falta de incentivo, e que acaba gerando um hábito.
E pela parte política, cá entre entre nós, dá muito mais "audiência" um governador inaugurar uma obra de fachada do que uma biblioteca. É mais vistoso, sabe.

Mas não discordo de você não. Realmente o investimento em bibliotecas é uma revolução. Jovens leitores geram adultos conscientes e aptos a tomar decisões sábias e precisas para a Pátria.

Sugestão e possível solução um tanto quanto megalomaníaca, mas provável eficaz. Construção de enormes bibliotecas, mas grandes mesmas, daquelas que você para do lado de fora e parece um shopping. Cada andar com um gênero literário, com elevadores, credenciamento eletrônico, escadas rolantes, tudo para o leitor se sentir bem confortável e a vontade, e que seriam apesar disto tudo, apenas bibliotecas.

Agradaria a crianças, adolescentes, balzaquianos e porque não, os políticos (ironia) :p

Beijos.