quinta-feira, 27 de março de 2008

Acorda amor!

Acorda amor, vem pra cama!
Desse sofá desencana
Essa cara amarrada não engana
Já conheço tua fama...


Palavras soltas entre bocejos
A mágoa na desordem da voz
Percorrem pelo corpo em lampejos
recordações de um pesadelo algoz


Vem agora, vem comigo
Pro meu colo, sem mais castigo
O meu perdão te ofereço
E aquela ofensa até esqueço


Pro feitiço da tua carne latente
Estou com perfume que tu gostas
Não desisto, sou desobediente!
Escorre tuas mãos nas minhas costas


Abraça meu corpo no teu sem mais torpor
Sente meu beijo que me (te) arde
Ouve os versos do Chico Buarque
Acorda, acorda, acorda amor!


(Alexandra Periard)

Rio de Janeiro - 26/03/2008

Um comentário:

Patu disse...

Hey hey!!!!
Bacana, gostei!!!!

Beijocas
(sim, não vou deixar esse desejo de viajar para o longínquo desaparecer!!!)