quarta-feira, 27 de junho de 2007

Diálogos Mudernos no Clube da Insônia...

- Onde você ta morando?
- Anota o endereço, por favor.
- Diga.
- Rua calçada do coco número 11.564 casa 32.345.
- Certo, anotado. Tem alguma referência?
- Sabe o ponto de ônibus onde umas crianças outro dia agrediram
uma senhora que andava de cadeira de rodas ?
- Em Copasacana?
- Agrediram uma senhora de cadeira de rodas lá também?
- Acho que sim, ouvi no noticiário.
- É ? Tudo bem, mas não é lá que moro não.
A senhora a quem me refiro foi agredida aqui perto de minha casa na Barra dos porcos.
- Já sei onde é. Vi no noticiário também.
- Pois então você pode chegar aqui por volta das 16 horas?
- Não acha um pouco perigoso andar por ai essa hora?
- Não, pode ficar tranquilo já estão patrulhando o bairro por conta
desse evento intergaláctico que vai ter aqui no largo de Abril.
- Olha lá hein, outro dia vi no noticiário que assaltaram um rapaz que estava indo entregar pão por ai.
- Sim, mas isso acontece todos os dias né? Se você for ficar pensando dessa maneira não sai mais de casa. Eu por exemplo, acendo minhas velas, peço a Deus para me proteger e sigo até a esquina pela manhã, compro meu jornal, pego um filme na locadora, pois cansei de assistir TV e volto pra casa. O máximo que me aconteceu, foi uma pedra que um garoto jogou do décimo sexto andar e que por sorte pegou na cachorra da menina que estava andando do meu lado. A cadelinha morreu coitadinha, mas antes ela do que eu.
- É meu querido.
A coisa ta ficando complicada mesmo.
Te contei que no Mês passado minha cunhada tava escovando os dentes e uma bola de gude perdida acertou o espelho dela ?
- Como assim?
- Uns adultos estavam jogando bola ou bulica aqui nas redondezas e se desentenderam.
Um deles se irritou com o outro, discutiram e começaram a jogar bolinha de gude pra todo lado. Uma delas pegou aqui no espelho da minha cunhada.
- Agora você vê estes homens né. Ficam brigando por qualquer motivo.
- Não era qualquer motivo, era a final de um campeonato que já dura mais de um ano.
O bêbado que dorme lá na esquina me contou que essas confusões são normais, acontecem sempre, é que nunca uma bola de gude perdida havia acertado alguém que eu conheço, por isso fiquei preocupado.
- Pois é rapaz. Cada vez perco mais as esperanças que as coisas mudem. Esse foi um dos motivos que parei de assistir TV, só aparece desgraça e notícia ruim. Prefiro alugar um bom filme e assistir aquelas cenas maravilhosas de amor ou então aquelas aventuras brilhantes daquele japonês que luta Kong fu tão bem.
- É, minha mulher também não assiste mais TV. Comprou um telefone que toca música, tem rádio, computador, dvd, dvc, ddd, tudo que é coisa dessas tecnologias novas, não sai mais de casa nem pra ver se ta dia ou se ta noite. Passa o tempo inteiro conversando na Internet com as amigas e agora descobriu um site novo chamado Second Life, está impressionada.
Diz que dá até pra comprar as coisas sem precisar colocar o pé na rua.
- Sério?
- Sério, ela vai ao shopping, ao cabeleireiro, visita museu, faz tudo como as pessoas faziam antigamente só que no computador.
- Eu não entendo nada de computador.
- Pois deveria entender rapaz, é importante saber passar um e-mail, ir ao banco para pagar as contas. Com esse negócio de saidinha de banco, toda hora alguém perde um trocado por ai.
- E por que será que os bancos não colocam gente pra tomar conta do lado de fora também?
- Eles não dão conta direito nem do lado de dentro.
- É meu amigo, o mundo tá acabando.
- Tá nada, isso já era assim desde os tempos em que as pessoas viviam dentro daqueles castelos enormes. Só que naquela época não tinha tanta informação então um feudo não sabia o que estava acontecendo no outro. Hoje em dia com esses canais todos, uma pessoa peida no Japão e você fica sabendo em dois minutos aqui.
- Sabe que nunca tinha pensado nisso?
- Como não? E esses filmes que você assiste? Não vê naqueles filmes de guerra de antigamente? Espadas, lanças, flechas, o homem vive se matando desde que o mundo é mundo. Vai precisar é cair um meteoro do céu para acabar esse mundo de novo e começar outro mundo. A diferença é que hoje tem essas armas com mira laser, traçante, fuzil, metralhadora, granada, tudo da mais alta tecnologia.
- É pensando assim é até melhor né? Imagina se as guerras nas ruas fossem com espadas, ia ter pedaço de gente espalhado pra tudo que é lado. Flecha perdida, coisas do gênero.
- Tudo tem seu lado bom e seu lado ruim né?
- Como assim, não entendi.
- Deixa pra lá.
- Bom então to passando ai pra deixar a encomenda. Quando chegar vou buzinar 3 vezes e você pega a sacola tudo bem ?
- Mas como vou saber que é você que está buzinando? Essa rua aqui é um inferno, todo mundo buzina ao mesmo tempo, as pessoas fecham o cruzamento da rua mais na frente e fica um caos. O hospital mandou até blindar o vidro pra que os pacientes possam se internar em paz.
- Certo então o que sugere?
- Me liga quando estiver chegando que pego com você na esquina.
- Qual esquina?
- Da Calçada do coco com a Rua de lama.
- Ok. Combinado.
- Mas não atrasa não, depois das 16 horas não garanto mais nada.
- Pode deixar, as seis da manhã estarei saindo.
- Seis da manhã, você mora tão longe assim?
- Não é pra garantir.
- Tá bom, Você quem sabe.

Enquanto isso na sala de jantar.

- Amor, vem ver, soltaram aquelas crianças que espancaram a senhora da cadeira de rodas.
- Já não falei que não quero saber dessas coisas? Desliga essa TV e vai ler um livro.
- Tá bom amor, você manda

(Autor Tico Sta Cruz)

2 comentários:

edilza disse...

Oi, vi seu comentário no blog do Tico e, como tb sou fã o cara e tb sou de JF, gostaria de manter contato!
Bjos!
Santiago
www.winsantiago.nafoto.net

Anônimo disse...

o que eu estava procurando, obrigado